Sexta, 21 de Junho de 2024
23°C 36°C
Teresina, PI
Publicidade

Pesquisa da Fapepi desenvolve Sensor Portátil para análise de soja

Equipamento facilitará análises diretamente no campo, sem a necessidade de laboratórios sofisticados.

22/05/2024 às 17h59 Atualizada em 27/05/2024 às 17h30
Por: Redação
Compartilhe:
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Pesquisadores da Universidade Federal do Piauí (UFPI) estão desenvolvendo um sensor portátil, que deve transformar a análise de fitoquímicos em soja. O dispositivo será capaz de detectar e quantificar as principais moléculas bioativas da soja, oferecendo uma ferramenta inovadora para o controle de qualidade e melhoramento genético do grão.

A pesquisa está sendo financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Piauí (Fapepi) e pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), por meio do Programa de Fixação de Jovens Doutores (Profix-JD).

O sensor portátil, desenvolvido pelo Laboratório de Pesquisa e Desenvolvimento de Novos Materiais e Sistemas Sensores (MATSENS) da UFPI, utiliza tecnologia de ponta para identificar e quantificar moléculas bioativas presentes na soja, como isoflavonas, proteínas e ácidos graxos essenciais. Estas moléculas são fundamentais para determinar a qualidade nutricional e comercial do produto, além de serem importantes para a saúde humana, devido às suas propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias.

O equipamento se destaca pela sua portabilidade e facilidade de uso, permitindo que produtores, pesquisadores e técnicos agrícolas realizem análises diretamente no campo, sem a necessidade de laboratórios sofisticados. Isso representa uma economia significativa de tempo e recursos, além de possibilitar um monitoramento mais constante e preciso da qualidade da soja.

"No Brasil, o mercado de isoflavonas de soja tem apresentado crescimento, embora seja menor em comparação com os Estados Unidos e a Europa. Assim, a utilização do dispositivo desenvolvido auxiliará o agricultor no direcionamento da produção, garantindo uma soja melhorada para atender uma variedade de novas demandas do mercado. Além disso, parcerias, entre o agricultor e as empresas tecnológicas, poderão impulsionar o desenvolvimento de novos produtos, agregando ainda mais valor à soja produzida no Piauí”, enfatizou o pesquisador Emanuel Airton, bolsista de pós-doutorado do projeto.

Aplicações Práticas

Portátil e de fácil utilização, o sensor pode ser operado diretamente no campo após um breve treinamento, o que facilita o controle de qualidade da soja em diversas etapas de produção. Isso é particularmente útil para programas de melhoramento genético e na produção de suplementos alimentares baseados na soja.

De acordo com Emanuel Airton, a implementação deste sensor na rotina agrícola pode trazer diversos benefícios. Além de assegurar a qualidade da soja destinada ao consumo interno e exportação, ele pode auxiliar na seleção de grãos para plantio, contribuindo para a melhoria contínua das safras.

Avanços e Próximos Passos

O sensor já foi validado em termos de detecção de compostos na soja e demonstrou eficiência em análises preliminares de amostras do mercado local. Os dados obtidos estão sendo preparados para publicação em revistas científicas especializadas. O próximo passo será ampliar o escopo das análises para diferentes tipos de soja e aprimorar o software de interpretação dos dados. Assim será possível seguir para a produção do sensor em grande escala.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Lenium - Criar site de notícias