Sexta, 21 de Junho de 2024
23°C 36°C
Teresina, PI
Publicidade

Preço de imóveis cresceu mais de 50% nos últimos 5 anos

A análise foi feita em 220 cidades brasileiras, levando em conta apenas o preço de apartamentos.

31/05/2024 às 10h03 Atualizada em 04/06/2024 às 16h46
Por: Redação
Compartilhe:
Foto: Uol
Foto: Uol

A Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) realizou um novo levantamento, que revelou que o preço médio dos imóveis brasileiros cresceu mais de 50% nos últimos cinco anos. A pesquisa, que calcula os valores por meio de pontos, explicou que nos três primeiros meses deste ano, o índice ficou em 171,9 pontos. Esse valor representa uma alta de 54,4% em relação ao mesmo período de 2019, quando era de 111,35.

Ainda, em comparação com o primeiro trimestre de 2023, quando estava em 153,46 pontos, houve um aumento de 12%. A análise foi feita em 220 cidades brasileiras, levando em conta apenas o preço de apartamentos.

Especialistas do mercado destacam que a tendência se deve a diferentes fatores. Para Renato Correia, presidente da CBIC, a alta dos valores de matérias primas neste mercado pressiona um aumento nos preços finais.

"No passado recente, há cerca de dois anos, nós tivemos altas muito expressivas [nos preços] de aço, de cimento, de alumínio e de cobre em função da pandemia. E isso proporcionou uma pressão para que o preço [dos imóveis] aumentasse", disse em evento de apresentação do levantamento.

Já Fábio Tadeu Araújo, presidente da Brain Inteligência Estratégica, empresa de pesquisa e consultoria do mercado imobiliário, o aumento dos preços dos imóveis está relacionada à queda nos estoques de apartamentos. "Nós estamos no menor patamar de oferta final. Isso significa que se ninguém lançasse mais nada hoje, em 9,9 meses acabaria a oferta [os estoques]. Esse é o nosso recorde no sentido de menor tempo de escoamento da oferta", explicou.

O levantamento da CBIC apresentou que este ano houveram 56.355 imóveis lançados, o que representa uma redução de 9,6% em comparação ao mesmo período do ano passado. Se comparado com o número de 2019, houve uma queda de 12,2%.

Minha Casa Minha Vida

A pesquisa ainda revelou um fortalecimento de imóveis do programa Minha Casa, Minha Vida (MCMV), impactando o mercado imobiliário. Após passar por mudanças significativas no ano passado - subsídio maior, juros mais baixos e um aumento no valor máximo do imóvel - o lançamento de unidades dentro do programa aumentou 24.7% nos três primeiros meses deste ano, em comparação ao mesmo período de 2023.

Celso Petrucci, economista-chefe do Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação ou Administração de Imóveis Residenciais ou Comerciais (Secovi-SP), afirma esse aumento já é um resultado das mudanças do MCMV, e que lançamentos e vendas de apartamentos dentro do programa só tende a se intensificar. "Estamos voltando aos patamares que tínhamos antes de o programa se mostrar desenquadrado e atrasado em relação às curvas de subsídios e limites operacionais", declarou.

Fábio Tadeu Araújo disse que a expectativa é de crescimento dentro do mercado imobiliário ao longo do ano, mas que o destaque ainda será do MCMV. "Esse é o maior mercado, onde tem mais demanda. E se nesse momento existe apoio de diferentes governos, é ainda mais fácil fazer com que essa demanda seja realizada", relatou.

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Lenium - Criar site de notícias