Sexta, 21 de Junho de 2024
23°C 36°C
Teresina, PI
Publicidade

Ozempic: efeitos e implicações do uso para o emagrecimento

Especialista faz alertas importantes sobre o uso indiscriminado do medicamento.

10/06/2024 às 16h08 Atualizada em 12/06/2024 às 06h49
Por: Redação
Compartilhe:
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Destaque nas últimas semanas, o remédio Ozempic e substâncias semelhantes têm sido bastante mencionados em notícias que falam sobre o rápido emagrecimento de famosos. A rapidez do resultado não foi somente uma das questões perceptíveis, outro fator abordado foi a clara desproporcionalidade da cabeça em relação ao pescoço, criando assim a expressão “cabeça de Ozempic”, referência a um suposto efeito colateral causado pelo uso do remédio.  

O Ozempic é um medicamento indicado para o tratamento da diabetes tipo 2 não controlada, em pessoas maiores de 18 anos. Seu principal componente é a substância semaglutida, responsável por imitar a ação do GLTP-1, o hormônio produzido no intestino que sinaliza ao cérebro quando estamos alimentados, induzindo a saciedade. Por conta disso, o remédio acabou sendo adotado por pacientes que desejam perder peso.

O médico endocrinologista cooperado da Unimed, André Gonçalves (CRM PI 3655), destaca que a bula do Ozempic descreve tratamento de diabete, não tendo indicação para tratar a obesidade. “Existem outras medicações semelhantes que tem tratamento específico para obesidade, no caso, ele foi desenvolvido para diabetes, mas como os pacientes emagrecem bem e eles não têm, em geral, os efeitos esperados em remédio para diabete que seria uma queda importante da glicose de uma hipoglicemia, acaba que o seu uso foi popularizado para tratamento também de obesidade muitas vezes sem a indicação da bula”, relata. 

Em vista disso, o especialista aborda sobre o uso indiscriminado do medicamento, que pode facilmente ser adquirido nas farmácias por não ser necessário a apresentação de receita médica no ato da compra e, por conta disso, o uso em dosagem incorreta. “Influenciadores que não são médicos, às vezes, não sabem a fisiologia daquela droga, não sabem as particularidades que cada paciente tem. A forma como a blogueira A ou B usa nem sempre é a forma que o paciente deve usar e esses acabam tendo um mal-estar ou alguma surpresa mais séria, e muitas vezes acabam demonizando as medicações por conta do uso indiscriminado de forma inadequada”, defende. 

Ele cita que a sibutramina, medicação muito consumida alguns anos atrás, chegou a ser suspensa do mercado porque alguns pacientes tinham um maior risco de ter doença cardiovascular. E que embora o Ozempic seja uma medicação mais segura, não é possível afirmar que todos terão problemas, assim corre o risco de, no futuro, a medicação ser demonizada porque foi usada de forma inadequada. 

Outro ponto de preocupação é o chamado “Efeito Sanfona”. O médico explica que quando os pacientes interrompem o uso do Ozempic, há uma tendência do corpo de recuperar rapidamente o peso perdido, devido à redução do gasto calórico basal e ao aumento da fome. Esse ciclo de perda e ganho de peso pode prejudicar a saúde a longo prazo.

Para pacientes com obesidade mórbida ou outras condições associadas, como diabete tipo 2 e doenças cardiovasculares, o tratamento com Ozempic e outras medicações da mesma classe pode ser benéfico. No entanto, o endócrino enfatiza a necessidade de acompanhamento médico contínuo e um plano de reeducação alimentar e atividade física para garantir resultados sustentáveis e a saúde geral do paciente.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Lenium - Criar site de notícias